Buscar no site




















Prostatismo/ Hiperplasia prostática benigna

O que voce gostaria de saber

descriçao

Hiperplasia prostática benigna (HPB) é o aumento da glândula prostática. Esse aumento é causado pelo crescimento excessivo de células da próstata. Essas células não são malignas, o que significa que elas não se espalham para outras partes do corpo. A próstata envolve a uretra após a sua saída da bexiga em homens. A glândula contribui com algumas secreções para o fluido seminal. Ela responde ao hormônio masculino, e após a puberdade cresce lentamente em seu tamanho. Quando o homem atinge 50 a 60 anos, quase todos apresentam alguma evidência da HPB. Esse aumento pode causar bloqueio da saída da bexiga, conhecido como prostatismo.

causas

HPB é provavelmente hereditário. Homens que precisam de cirurgia antes de 60 anos geralmente tem fatores genéticos. Homens com história familiar de HPB antes de 60 anos tem 4 vezes mais riscos de desenvolver HPB precocemente.

sintomas

Dificuldade para começar a urinar. Diminuição da força do jato urinário. Aumento da freqüência da micção. Dificuldade para controlar a micção, com sensação de urgência para urinar. Levantar à noite para urinar, conhecido como noctúria. Sensação de não conseguir esvaziar completamente a bexiga. Sensação de necessidade de micção logo após esvaziar a bexiga. Incontinência urinária.

diagnosticos

HPB sintomático, ou prostatismo, geralmente é diagnosticado pelos sintomas. O exame de toque retal é feito para afastar possibilidade de crescimento cancerígeno, que são nódulos duros e pequenos. Um teste de PSA (antígeno específico da próstata) pode ser feito. Se esse valor for acima do valor normal ou está no limite do normal, pode ser feito uma biópsia para afastar risco de câncer. Outros testes podem ser feitos. Apesar que estes testes não são necessários para todos. Estes incluem cistoscopia, procedimento que, através de um endoscópio, olha dentro da uretra, próstata e bexiga e ultra-som, para medir o tamanho da próstata.

tratamentos

Prostatismo geralmente é tratado primeiro com drogas chamados alfa-bloqueadores. Essa droga relaxa a musculatura da próstata, melhorando o fluxo urinário. Como a próstata responde a testosterona, a supressão desse hormônio pode diminuir o tamanho da próstata e melhorando os sintomas. Infelizmente, esse método possui uma série de efeitos indesejáveis. Existe uma droga chamada finasteride, que pode diminuir os níveis de testosterona, sem provocar sintomas da falta do hormônio em outras partes do corpo. Alguns estudos mostram que o finasteride pode diminuir o tamanho da próstata em 30%. No entanto, ela demora vários meses antes de mostrar resultados e os seus efeitos não são tão diretos como os alfa-bloqueadores. Se a droga não tiver efeito, a cirurgia é a outra opção. A cirurgia tradicional é a resecção prostática transuretral (RPTU). Consiste em passar um endoscópio com uma alça elétrica através da uretra até a próstata. E, sob anestesia, é feita a retirada do tecido da próstata. Essa cirurgia tem uma taxa de sucesso de 85%. Outras formas de energia foram testadas no lugar da elétrica, tais como ultra-som, laser, calor e ondas de rádio. Em geral, esses procedimentos oferecem menos riscos que RPTU, porém os seus resultados não são tão bons. Quando a próstata tem mais de 100g, vários cirurgiões sugerem prostatectomia total, ou a retirada total da próstata através da incisão no abdome. O RPTU e outras técnicas são menos eficientes ou até perigosas nas próstatas maiores.