Buscar no site




















Higiene: aspecto fundamental para uma vida saudável

A mudança dos hábitos de higiene é um dos fatores mais significativos para que o homem hoje tenha uma maior longevidade. Higiene e saúde estão diretamente ligadas. Mas, mesmo assim, muitas pessoas falham nas mais básicas regras de asseio como, por exemplo, lavar as mãos antes de comer, depois de ir ao banheiro ou no manuseio de alimentos na culinária. A falta de limpeza pessoal pode gerar uma série de problemas e a proliferação de doenças infecto-contagiosas.

A pele é o maior órgão do corpo humano, corresponde a 15% do nosso peso e reveste e delimita o organismo, protegendo-o e interagindo com o ambiente. Por isso, está sujeita a uma grande quantidade de enfermidades e a ausência de asseio, agravada por fatores ligados à idade, ao sexo, ao ambiente de moradia, ao trabalho e ao transporte, contribui para aumentar esse risco. “A falta de higiene pode causar, além do mau cheiro, aparecimento de micoses, infecções e infestações de parasitas na pele humana.”, diz a dermatologista Angela Beatriz Schwengber Gasparini.

O tecido epitelial tem um manto lipídico que possui atividade antibacteriana. É isso que devemos preservar na hora da nossa higiene diária. “Deve-se ter cuidados básicos com a limpeza da pele da face e do corpo. Usar sabonetes suaves com pH próximo ao da pele para remoção do suor, sebo, bactérias, fungos, e da sujeira, sem que o nosso manto lipídico seja afetado e desse modo, preservando nossas defesas. O uso de hidratantes após a higiene minimiza as agressões causadas pela limpeza.”, acrescenta a médica.

Principalmente em pessoas idosas, com peles muito ressecadas ou com problemas dermatológicos do tipo eczema, os sabonetes devem ser usados apenas nas dobras como axilas, área genital e interdígitos, e uma vez ao dia. “Devemos também evitar sabonetes antissépticos para uso diário e contínuo, pois podem diminuir as defesas naturais da pele, além de causar ressecamento, coceira e até mesmo alergias.”, expõe a doutora.

De acordo com os especialistas, no inverno, um banho diário é suficiente. No verão, pode ser necessário mais de um, neste caso, apenas um com sabonete. “É claro que isso é variável. Existem vários tipos de situações, pois o indivíduo pode trabalhar ao ar livre, suar muito, mexer com produtos que engordurem e grudem na pele. Em geral, um banho por dia é suficiente para manter-se limpo.”, explica a dermatologista Denise Steiner.

Mas, para quem acha que quanto mais banhos melhor, é bom saber que o excesso pode ser prejudicial. Vários banhos ao dia podem ressecar a pele, pois eliminam a camada de gordura natural depositada na mesma e consequentemente diminuem a proteção do corpo. “O ideal é mesmo um banho por dia com sabonete neutro, tendo atenção especial para as dobras. O cabelo deve ser lavado pelo menos duas vezes por semana e a toalha pós-banho precisa estar sempre limpa.”, fala Denise Steiner.

A limpeza é importante não só para si próprio, mas também para evitar a transmissão de doenças para os filhos e os colegas de trabalho. “Devemos lavar as mãos sempre que mexermos em produtos químicos, sempre que formos ao banheiro e sempre que tocarmos em animais.”, comenta a dermatologista Denise Steiner. As academias por exemplo, podem ser foco de micoses, doenças causadas por fungos e também infecções bacterianas de pele. “A água da piscina deve ser tratada de forma adequada. É melhor usar chinelos para tomar banho nos vestiários e evitar usar roupa de banho e toalhas de terceiros.”, recomenda.

Outro parte do corpo que merece atenção especial é a boca. “A forma adequada de se fazer higiene oral é utilizando-se escovas dentais de cabeça pequena, com cerdas macias e uniformes, fio dental, creme dental com flúor para os adultos e enxaguatórios bucais também com flúor. Sempre fazendo uso de uma boa técnica, evitando-se força excessiva no ato da escovação.”, esclarece a dentista Josane Rocha.

O desejável é que se escove os dentes pela manhã, após as refeições e antes de dormir, quando uma escovação mais criteriosa deve ser executada, já que o fluxo salivar diminui e consequentemente, a promoção da auto-limpeza que a saliva possibilita também. A falta de higiene bucal acarreta em várias doenças. “Podemos ressaltar a cárie, sangramento gengival, doenças periodontais que levam à perda dos dentes devido ao seu amolecimento (falta de suporte ósseo) e a halitose. Fora as doenças sistêmicas, reflexo dessas outras citadas antes, como problemas gástricos e articulares, endocardites. Nas crianças, as infecções dentárias retardam o crescimento e o desenvolvimento.”, comenta a dentista.

Em relação ao asseio bucal, a maior queixa é a respeito do mau hálito, causado pelo acúmulo de placa bacteriana nos dentes, por problemas de gengiva e pela má higiene da língua, que gera o acúmulo de bactérias e resíduos alimentares na mesma. “Devemos também escovar a língua com a própria cerda de nossa escova, com os limpadores presentes na cabeça de alguns modelos ou com limpadores específicos que já estão no mercado.”, diz a especialista.

A maioria das pessoas devido à vida corrida, mal consegue escovar os dentes após as refeições, logo, fazer uso do fio dental, principalmente à noite antes de dormir, deve ser imprescindível. “Devemos lembrar que passar a fita também requer uma técnica, pois a mesma deve ser esfregada entre os dentes para que se promova a limpeza do espaço entre os dentes abaixo do ponto de contato dos mesmos.”, esclarece.

Pessoas que usam aparelho ortodôntico devem redobrar os cuidados com a escovação dentária, visto que o mesmo torna a higiene mais difícil. Para isso existem escovas ortodônticas, passa-fio e escovas interdentárias. Isso vale também para quem tem próteses tipo pontes e próteses sobre implantes.

Há ainda que se falar é claro sobre a higiene íntima, o mais delicado tema. O contato com a urina e até com coliformes fecais, que podem permanecer na região se não houver uma limpeza adequada, podem causar um odor forte e desagradável e até mesmo doenças. “A falta de asseio pode acarretar em uma irritação da vulva por urina residual. Também pode haver a contaminação por bactérias fecais após higiene mal feita depois de evacuar que pode acarretar até em uma infecção urinaria, que na maioria das vezes, é causada por E. coli, bactéria de origem fecal.”, diz o ginecologista José Ramiro Gialluisi.

A higiene genital da mulher deve ser realizada diariamente, com água e sabão neutro ou sabonetes íntimos que não contenham perfume. “O ideal é sempre que urinar lavar-se com água pura. Sempre que evacuar, não usar papel higiênico, fazer a higiene com água corrente (chuveirinho, não usar bidê), sempre da frente para tráz, usando sabão líquido neutro. Em relação aos produtos comerciais, por serem muito diversos e a composição as vezes conter perfumes que podem causar alergia, é aconselhavel a opinião do médico assistente.”, explica o doutor. No período menstrual, a higiene e a troca frequente de absorventes ajudam a minimizar odores desagradáveis.

O especialista ainda acrescenta que após o ato sexual, basta a irrigação externa com água corrente para a boa limpeza do local. “Deve-se evitar introduzir o dedo na vagina para higiene. Caso não haja uso de preservativo e existam espermatozoides na vagina, eles serão eliminados normalmente, sendo necessário refazer a higiene externa. Trocar a calcinha frequentemente evitando resíduos que podem fermentar, principalmente em clima quente pode ajudar também.”, aconselha.

Os hábitos de higiene são assimilados durante a infância e permanecem para o resto de nossas vidas. Por isso, é importante que a criança receba informações e bons exemplos neste sentido, pois isso também vai determinar se ele será ou não sadia. A limpeza dos filhos é uma tarefa dos pais, e só aos seis anos é que a pessoa está madura o suficiente para cuidar do seu próprio asseio de forma correta. Não se deve passar essa atribuição para eles antes do tempo, pois pode ser prejudicial à saúde.

Por Thais Padua, Rio de Janeiro.